ESSE É O MEU SONHO, CADÊ O SEU?

Salvador 26 de fevereiro de 2015.

De: Felipe Jaime 

Enviada no Fale Conosco do Site www.dbaf.com.br 

 

Rildo sou eu Felipe de Jaime , e vi o quanto a dbaf e uma grande empresa, que profissionaliza garotos a apitar jogos e eu realmente to interessado , meu objetivo e ser da arbitragem se não conseguir ser jogador , e fico muito agradecido pela chanche e pela confiança que o senhor tem em mim, não vou decepciona-lo, sou muito grato a seus ensinamentos de arbitragem.

 

______________________________________________________________________________

 

Vera Cruz - RS, quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Publicado 30/08/2012 » Esporte - Futebol

Jovem sonha em ser juiz de futebol

 

 

Fonte: Jornal Arauto - Vera Cruz - Rio Grande do Sul

 

 Ao contrário da maioria dos garotos, Salomão Salomão Gebin Claro não quer ser jogador de futebol. O sonho dele é ser árbitro. A paixão pelo apito começou aos 12 anos, quando viu uma atuação de Vuaden em Santa Cruz do Sul. “A primeira vez que eu vi o Vuaden apitando de perto, no Avenida, eu me identifiquei”, conta Salomão. “E para jogar nunca prestei”, completa. A partir dali, o garoto já sabia o que queria ser: juiz de futebol - contrariando todos os clichês dos meninos da idade dele.

 

Salomão começou, então, uma busca por informações sobre a profissão. Numa destas buscas, encontrou a Divisão de Base de Árbitros de Futebol da Bahia (DBAF). A entidade desenvolve um projeto voltado à formação de crianças e jovens, visando despertar o desejo pela atuação no ramo da arbitragem. Além dos conhecimentos teóricos e práticos sobre as regras do futebol e suas peculiaridades, também é ferramenta de inserção social por meio do esporte.

 

Através de um projeto da Divisão de Base de Árbitros de Futebol, o menino quer também incentivar outros jovens a despertar o interesse pela arbitragem.  O fundador, Rildo Góis, já disse que tem interesse em expandir o projeto para cá”,  diz. Para isso, quer o apoio de colaboradores para viabilizar a vinda da DBAF. “Na Bahia, as crianças melhoram muito no colégio. Aqui também poderia ajudar muitos jovens. Estou tentando o apoio da Lifasc (Liga Integração de Futebol Amador de Santa Cruz do Sul). Só me falta o espaço físico”, acredita Salomão. 

 

ÍDOLO - As atuações com uniforme emprestado estão com os dias contados, conforme Salomão. Depois de entrar em contato com a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) para saber sobre Curso de Arbitragem, a própria entidade prometeu a doação de um uniforme para o garoto. A FGF ainda agendou um encontro de Salomão com seu ídolo, o árbitro Leandro Vuaden, que deve ocorrer em setembro.

 

Fonte Jornal Arauto Vera Cruz / Rio Grande do Sul.

 

Link da Reportagem do Jornal  Arauto Tecle na Marca