Palestras sobre o Projeto Social revolucionário na arbitragem brasileira defendido no Trabalho de Conclusão do Curso de Educação Física de Rildo Gois, na Faculdade Social da Bahia com o tema: Arbitragem de Futebol como Inclusão Social A Experiência da Divisão de Base de Árbitros de Futebol 

Faculdade Vale do Jaguaribe - Aracati - Ceará 

mdienkhnzwv2ym1bfcubwapty5urxh.jpg

Faculdade de

Tecnologia e Ciências  

20191111_210736.jpg

Defesa do Projeto Social Divisão de Base de Árbitros de Futebol na Faculdade Social da Bahia 

P.jpg

 Centro Universitário Maurício de Nassau

46520440_2003260939768710_26996016080014

Faculdade da Cidade - Salvador - Bahia

A Divisão de Base de Árbitros de Futebol (DBAF) segue recebendo elogios dos quatro cantos do país. Do reconhecimento de torcedores, imprensa, dirigentes de futebol e entidades como a CBF, o projeto, pioneiro no país, ganhou as páginas de um livro. 

Idealizada e coordenada pelo árbitro baiano Rildo Góis, a DBAF foi homenageada no livro reportagem Humanus. A obra foi lançada na manhã desta quinta-feira (14), no Auditório da Faculdade da Cidade, em Salvador.

Entre as diversas reportagens do livro, uma conta a história do projeto social que, através da arbitragem, educa e disciplina crianças e adolescentes de Salvador e as capacita para exercerem a profissão no Brasil e no mundo.


DBAF - A Divisão de Base de Árbitros de Futebol (DBAF) foi criada por Rildo Góis há 12 anos e tem como objetivo trabalhar com a inclusão social por meio do esporte. O projeto, também visa à formação de profissionais de qualidade para a arbitragem brasileira.

Há um ano, o curso vem sendo realizado na sede do Colégio Parque, no bairro do Cabula. No local, cerca de 30 crianças e adolescentes passam por um trabalho intensivo de formação sobre os conhecimentos teóricos e práticos da profissão. 

Humanus - O livro reportagem visa dar voz às pessoas que geralmente ficam ocultas pelos jogos de interesse. Travestis, vendedores de rua, crianças e adolescentes de bairros pobres, ex-usuários de crack e pessoas com necessidades especiais aparecem no livro sem o viés sensacionalista próprio de meios que objetivam o lucro, mas com a lente sensível de quem deseja apenas incluí-los no curso da história.

A obra foi resultado da disciplina Técnicas de Reportagem do 4º semestre do Curso de Jornalismo da Faculdade da Cidade do Salvador. Coordenado pela jornalista Antoniella Devanier, Humanus foi escrito pelos alunos/autores Aloísio Tavares, Jean Pierre, Adriana Santos, Flavio Gomes, Isabel Lima, Naylton Santos, Yedda Melo, Alessandra Miranda, Flavia Mesquita, Vivaldina Calmon e Atila Barros.
 

 

Reportagem Publicada em Agosto de 2013 no www.dbaf.tumblr.com